quinta-feira, 25 de agosto de 2011

Menino de 13 anos revoluciona captação de energia solar

Menino de 13 anos revoluciona captação de energia solar

Postado em 23/08/2011 às 10h35
Aidan Dwyer, 13, criou uma maneira de aproveitar melhor a energia do sol, organizando painéis solares. A invenção obteve um aumento na eficiência entre 20% a 50%. |Imagem:amnh.org
 
O americano Aidan Dwyer, 13, criou uma maneira de aproveitar melhor a energia do sol, organizando painéis solares. O resultado de sua invenção aumentou de 20% a 50% a eficiência do sistema. O invento se assemelha a uma planta em sua forma e função.
A ideia de Dwyer, apresentada em uma feira de ciência na escola, lhe rendeu o prêmio “Jovem Naturalista 2011” concedido pelo Museu Americano de História Natural e foi inspirada no mecanismo que as árvores possuem de absorver a luz solar.
Hoje em dia, os painéis solares são dispostos horizontalmente ao contrário do sistema “criado” pela natureza e, ao perceber isto, o menino resolveu gerar um dispositivo vertical com pequenos painéis solares de maneira que ficassem organizados como as folhas nos galhos.
Em uma entrevista ao portal de notícias norte-americano Huffington Post, Dwyer contou que durante suas caminhadas às montanhas de Catskills, nos EUA, ele percebeu que as folhas e os galhos das árvores obedeciam a uma sequência e ele queria saber o por quê. "Eu sabia que aqueles galhos e folhas coletavam a luz do sol para fotossíntese, então meu próximo experimento iria investigar se a sequência de Fibonacci ajudaria", disse o estudante.
A sequência de Fibonacci se caracteriza pelo uso dos números zero e um, antes de cada sequência, a cada número seguinte, faz-se a soma dos dois números anteriores. Por exemplo, 0-1-1-2-3-5-8-13-21. Estes números, quando colocados em proporções, mostram-se nos padrões de galhos e folhas em árvores. A pequena árvore criada pelo adolescente é feita em PVC e as folhas e galhos são pequenos painéis solares que respeitam esta ordem.
Testes realizados mostram que a “árvore solar” é mais eficiente, inclusive em épocas de menor incidência solar. Outra vantagem é que em épocas de nevasca, o sistema não fica “enterrado” pela neve e nem é prejudicado pela chuva além do que, ele ocupa menos espaço, sendo perfeito para ambientes urbanos onde o espaço e a luz solar direta podem ser difíceis de encontrar.
O estudante ganhou uma patente provisória, do governo dos Estados Unidos, além do interesse de diversas entidades aparentemente “ansiosas” em comercializar sua inovação.
Apesar da grande divulgação dos méritos do menino de 13 anos, a invenção de Dwyer está sendo muito criticada com relação aos métodos e técnicas usadas. Com informações de Techtudo, HuffingtonPost, American Museun of Natural History e Terra.
Redação CicloVivo

segunda-feira, 22 de agosto de 2011

Escuela de Arte - Preservação Andina do Conhecimento



Caros, caso queiram saber mais e aqueles que possam fazer investimentos nessa belíssima ação ativista em busca da preservação dos costumes nativos!

Escrevam para Agustín Guzmán!

Att.
ONG Árvore Sagrada

agustín guzmán escreveu: agustinguzman2951@yahoo.com.pe

Estimados Amigos/as.

Aqui un breve recuento de nuestra tan mentada Escuela de Arte.

En el año 2,005 el Museo de Arte de Lima,llamo a un concurso interescolar de pintura,
ahi 2 de nuestros alumnos ganaron el 1er y 2do puesto, ver entrevista de El Comercio de Lima:
http://www.comunidadtawantinsuyu.org/proyectos/entrevista_llamado_selva.jpg
Unos años despues nuestro amigo frances Franck Provvedi se interno en Yarapa para hacer un documental y asi hacer conocer al mundo nuestra expereincia, ver nota:
Yarapa:Cuando la selva es la escuela:

Aqui pueden ver el trailer del documental que se exhibira en los festivales de cine:


Aqui una nota del El Peruano de Lima:
EXPLORACIONES DE LA IDENTIDAD A TRAVÉS DEL ARTE

Tambien nos encuentran en face book:

Agradecemos a nuestros amigos/as que nos ayudaron y nos siguen ayudando para que
podamos llevar a cabo este gran sueño a todos ellos/as la sociedad los premiara,y para
los que deseen juntarse en esta parte del camino, pues serán bienvenidos porque tenemos mucho por hacer,asi como repetir esta experiencia en muchas comunidades nativas y/o campesinas,entonces vamos que se hace tarde!

Estamos a sus ordenes para compartir.

Saludos.

agustín guzmán






terça-feira, 16 de agosto de 2011

Árvores artificiais como solução ao dióxido de carbono?



Árvores artificiais podem converter dióxido de carbono em oxigênio

Pesquisadores dos Estados Unidos projetaram "planta" com garrafas plásticas recicladas que filtram o ar
por Globo Rural Online
SHIFTboston
Com o intuito de melhorar o ar nas grandes cidades, pesquisadores da Universidade de Columbia, em Nova York, nos Estados Unidos, trabalharam com um estúdio de design em Paris para projetar árvores artificiais que possam exercer a função de uma planta, sem que tenham que ser fincadas no solo ou alimentadas por água.

Segundo informações do portal de notícias Aol News, trata-se de uma máquina construída para filtrar o ar e converter dióxido de carbono em oxigênio, com suportes para painéis solares. Patrocinado pela organização SHIFTboston, a equipe elaborou o projeto utilizando como material garrafas plásticas recicladas, e agora aguarda a aprovação da proposta para produzir o primeiro protótipo.

Com design futurista, as árvores artificiais podem ser acesas no período da noite e iluminar com várias cores diferentes. Elas também podem gerar energia por meio dos painéis solares e movimento de balanços conectados à base das máquinas, que poderão ser utilizados pelas pessoas.

Opiniões contrárias dizem que em vez de construir projetos mirabolantes como este, os cientistas deveriam estimular aplantação de mais árvores. Mas os pesquisadores argumentam que árvores artificiais seriam mais eficazes, já que não necessitariam de tempo para o crescimento e poderiam ser instaladas em qualquer localidade.

quinta-feira, 4 de agosto de 2011

O Mundo Erveiro nas Sociedades Tradicionais

Trabalhar com ervas é um imenso mar de conhecimento e esta presente na sabedoria popular, dos conhecidos sábios da natureza, conhecimento vindo de geração a geração por gente afastada do meio urbano e que hoje promove fascínio em estudiosos e grandes empresas farmacéuticas. Com o distanciamento dos conhecimentos da mãe Natureza levou a humanidade a acreditar que tudo nasce no estilo fast-food e com isto começou a fase do esquecimento sobre os caminhos da tradição.

A vida não é pronta, ela é construída. A saúde, a família, o trabalho e a busca da essência não estão prontos como muitos desejam.

A magia está em nós enquanto somos capazes de construir. Neste caminho os antigos povos buscaram na Natureza a sabedoria que ela tem para ensinar, na observação dos ciclos, do espiritual até o benefício da saúde do corpo.

Encontramos na medicina erveira algumas formas na criação de remédios naturais, segue abaixo formas de trabalhar os princípios da fitoterapia.
FORMAS DE PREPARAÇÃO

DECOCÇÃO  -  É uma solução obtida através da fervura das ervas em água ou vinho, como se fosse uma sopa, e depois retira-se os sedimentos. Assim temos uma solução medicinal. Adecocção pode ser usada por via oral, cataplasma (aplicado no local) ou usar como uma sopa, e tomar como um chá.

PÓ  -  A erva é moída e transformada em pó. Há duas maneiras para seu uso: via oral ou aplicada externamente.

PÍLULAS  -  A partir do pó ou extrato seco, só que as pílulas são misturadas com água, mel, pasta, farinha, vinho ou vinagre.

EXTRATO LÍQUIDO - As ervas são solvidas em uma solução especial, aquece a uma temperatura baixa e destila-se o preparado, sob a forma de álcool. Um miligrama corresponde a 1 gr de extrato.

EXTRATO SECO  -  Igual ao extrato líquido, só que retira-se o solvente, secando-o. Uma grama de extrato seco equivale a mais ou menos cinco gramas da erva. São utilizados para cápsulas ou tabletes.

UNGÜENTO -  Utiliza-se do extrato seco ou pó, que misturado a um veículo (vaselina/ outro creme), é aplicado sobre a pele.

EMPLASTO  -  Utiliza-se das ervas maceradas em um pano e aplicado sobre a pele.

INJEÇÃO  -  Pode ser muscular ou endovenosa.

XAROPE  -  São ingeridos por via oral. O mel é o veículo mais usado.

LICORES  -  Igual ou semelhante às garrafadas. Coloca-se a planta mergulhada no álcool ou no vinho.


PREPARAÇÕES DOS MEDICAMENTOS

DECOCÇÃO
Processo indicado para cascas, sementes e frutas duras. Colocadas em uma panela contendo água, após a fervura, abaixar o fogo e mantê-la durante quinze minutos. Filtrar e guardar em refrigerador. Pode durar aproximadamente dois dias.

INFUSÃO
As ervas devem ser amassadas em um pilão. A preparação é simples. O objetivo é obter uma bebida mais leve que a decocção, mas igualmente eficaz. A infusão é utilizada para aquelas plantas cujo o cozimento prolongado pode prejudicá-las. Coloca-se as ervas em um recipiente e despeja-se água fervendo sobre a planta, tampe durante dez minutos, filtre e beba morna. Algumas vezes para se obter uma infusão, pode utilizar-se de água, vinho, vinagre, álcool ou leite.

MACERAÇÃO
Para retirar todos os princípios de uma ou mais plantas, colocam-se as mesmas em uma dose estabelecida de água fria, álcool, vinagre ou vinho, e se deixa macerar por algumas horas, ou um dia, ou semanas. Também neste caso, após haver coado ou filtrado o líquido, deve-se espremer o resíduo no coador ou na tela.

CATAPLASMA
Trata-se de envolver a parte lesada do corpo em uma massa ou pano, o remédio é empregado para curar as inflamações da pele, inchaços, contusões, feridas, chagas, ulcerações e dores reumáticas. Para preparar o cataplasma, a erva deve ter passada por uma infusão ou decocção com pouca água, este cataplasma pode ser aplicado quente ou frio. Para que a infusão vire uma massa, é preciso colocar um veículo, que pode ser argila ou farinha, no caso de feridas, coloca-se uma bandagem e depois o cataplasma.

CREME
Mais utilizado na cosmética do que em tratamentos alternativos, os cremes são fáceis defazer e dão ótimos resultados. Podemos preparar um creme da seguinte maneira: coloca-se lanette (cera utilizada como base para cremes) em banho-maria até que derreta, em seguida deve ser misturada aos óleos, decocções ou infusões das ervas indicadas para os fins desejados. Além disso, vale a pena acrescentar ao conteúdo algum tipo de conservante natural, como arovit ou própolis (ambos vendidos em farmácia). Mesmo assim os cremes devem ser mantidos em refrigeração.


TINTURA MÃE
É a maceração de folhas ou outras partes da planta, que se faz a frio em álcool de cereais (milho ou uva). As tinturas mãe extraem as propriedades das ervas com grande eficiência e concentração, mantendo a conservação por um longo período (em média dois anos). Para prepara-la basta misturar três partes de ervas com sete de álcool de cereais, ou, seis partes de álcool de cereais e um de água destilada e três partes de ervas. Depois deixe esta mistura macerar por, no mínimo, trinta dias em um vidro escuro em local seco e escuro. Após trinta dias devemos filtrar.

POMADAS
As pomadas em geral podem ser feitas a partir de tinturas de qualquer erva. Para isso deve-se misturar partes iguais da tintura desejada com vaselina e lanolina, nesta ordem, na proporção de uma medida de tintura para uma de vaselina e uma de lanolina. A pomada chega a durar de um a dois anos, no entanto, para conserva-las o importante é manusear o conteúdo sempre com uma espátula, evitando o contato com as mãos.

UNGÜENTOS
É preparado misturando-se as ervas ou suco de ervas com uma substância gordurosa (gordura hidrogenada). Habitualmente empregua-se a vaselina ou lanolina. Em primeiro lugar, deve-se socar a erva escolhida, em seguida mistura-la a gordura ao vaselina, deixar então o conteúdo em banho-maria por aproximadamente duas horas. A mistura vai estar pronta quando estiver com aparência homogênea.

VINHO MEDICINAL
Costumeiramente  é  diurético  ou  estomáquico.  Vertem-se  as  ervas  estabelecidas naturalmente cortadas em pedaços, ou trituradas e esmagadas. Coloca-se no vinho deixando macerar por um certo período de tempo, filtra-se então o vinho.

* Advertimos procurar profissionais da área, nunca se auto-medique!

Att,

quarta-feira, 8 de junho de 2011

ÁRVORE SAGRADA - Folclore - A Deusa Cailleach

Cailleach diz:
Meus ossos são frios, meu sangue é ralo.
Eu busco o que é meu. O busco o que ainda não foi semeado. Eu busco os animais para cavernas quentes e mando meus pássaros para o sul. Eu ponho meus ursos para dormir e mudo o pelo de meus gatos e cães para algo mais quente. Meus lobos me guiam, seu uivo anuncia minha chegada. Os cães, lobos e raposas cantam a canção da noite, a serenata da Anciã, a minha canção.
Eu disse sim à vida e agora digo sim à Morte. E serei a primeira a ir para o outro lado.
Eu trago o frio e a morte, sim, pois este é meu legado. Eu trouxe a colheita e se você não colheu suas maçãs eu as cobrirei de gelo. Após o Samhain, tudo o que fica nos campos me pertence.

Cailleach é a própria terra. Ela é as rochas cobertas de musgo e o pico das montanhas. Ela é a terra coberta de gelo e neve. Ela é a mais antiga ancestral, velada pela passagem do tempo. Ela é a Deusa da Morte, que deixa morrer tudo o que não é mais necessário. Mas é também quem encontra as sementes da próxima estação. Ela é a guardiã da semente, a protetora da força vital essencial ao ressurgimento da vida após o inverno. Ela guarda a própria essência do poder da vida. Ela é o poder essencial da Terra. Nos mitos Celtas representa a Soberania sobre a terra e um rei só podia reinar após realizar o casamento sagrado com Ela, que representa o Espírito da terra.

Cailleach é uma das maiores e mais antigas Deusas da humanidade, uma Deusa Anciã, principalmente na Galiza onde algumas teses apontam a raíz no etnónimo Callaici, nome de uma tribo céltica que vivia na região onde mais tarde surgiu a povoação celto-romana de Cale - Cale está na base do nome e fundação de Portugal, enquanto os Gallaici deram o nome a toda a região do Douro para cima, Galiza incluída.

Cailleach rege o céu, a terra, o Sol e a Lua, o tempo e as estações. Ela criava as montanhas com as pedras que carregava em seu avental, mas também trazia aos homens as doenças, a velhice e a morte. Ela é também um espírito protetor dos rios e lagos, garantindo que eles não secariam. Ela controla os meses de inverno, trazendo o frio, as chuvas e a neve. Mas um de seus principais títulos é Rainha da Tempestade, pois com seu cajado trazia e controlava as tempestades, particularmente as nevascas e furacões.

Cailleach é a guardiã do portal que leva à parte escura do ano, iniciada no Samhain e é invocada nos rituais de morte e transformação. Nos mitos da troca de poder entre deusas, ela recebe o bastão branco dos meses de luz e o torna negro para os meses de trevas, devolvendo-o à Bright no Imbolc. Em alguns mitos diz-se que Ela retorna à terra no Imbolc, tornando-se pedra para acordar somente no próximo Samhain.


Apesar de ser considerada uma Deusa Anciã, ela é quase sempre representada com um rosto jovem, mostra de seu poder de se rejuvenescer constantemente. Esta deusa possui um aspecto de protetora dos animais selvagens contra caçadores, principalmente o cervo e o lobo, assegurando bandos saudáveis. Há um mito antigo que conta que os caçadores oravam a Cailleach para saber onde encontrar os cervos e quantos matar. Ela os guiava para a aqueles que podiam ser mortos, desobedecê-la trazia sua fúria, em forma de ataques de alcatéias para a vila dos desobedientes.

Esta deusa também possui um aspecto regedora da saude/ infermidade, sendo aquela a quem as mães pediam que curasse seus filhos das doenças do inverno. O Gato é um de seus animais sagrados. Em algumas lendas ela toma a forma de gato para testar o caráter das pessoas. Em sua forma humana, ela costumava ir de casa em casa no inverno pedindo abrigo e comida. Os que a acolhiam contavam com sua eterna bênção e proteção e os outros eram amaldiçoados e não atravessam o inverno incólumes. São também sagrados para ela o corvo e a gralha.

Ela carrega um caldeirão em uma das mãos e um cajado na outra. Seu cajado ou bastão lhe conferia o poder sobre o tempo, associada também a crua honestidade e à verdade.

Outro mito folclorico é de aparecer como uma mulher velha que pede ao herói que durma com ela, se o herói concorda em dormir com ela, ela se transforma em uma linda donzela.

O Livro de Lecam (cerca de 1400 E.C.) alega que Cailleach Beara era a Deusa da qual se originaram os povos da região de Kerry. Na Escócia ela representa a personificação do inverno, nasce velha no Samhain e fica cada vez mais jovem até tornar-se uma linda Donzela no Beltane.


Tese de etimologia da palavra Cailleach:
(...)
a origem do termo Cale (que logo dará lugar à forma latinizada Gallaecia) parte da Deusa mãe dos celtas Cal-leach, pois, segundo ele, era costume romano nomear aos povos conquistados pelo denominação dos seus Deuses. Isto dá, para lembrar-nos, que o nascimento da Calécia/Gallaecia como entidade política, produziu-se após a batalha do Douro e a posterior conquista romana. Para este autor, os celtas do Douro, virão a ser os Cal-laic-us (Calaicos) ou filhos da Deusa mãe dos celtas Cal-leach, cuja referência se tem encontrado numa inscrição na forma de Calaic-ia no lugar de Sobreira, perto do Porto.
Uma outra analise do radical Cale no âmbito das línguas célticas: Palomar Lapesa (1957) e Alberto Firmat (1966), liga este com o significado de «pedra», «rochedo», «duro», cuja expressão se adequa com rigor às características geológicas e graníticas da cidade, nomeadamente do morro da Sé.
Para Higino Martins (1990) o vocábulo pré-indo-europeu Kala, definido como «abrigo», «refúgio», passou à língua celta sob a forma Cale e com significação de «terra», «montanha». Para ele, o etónimo Calaico/a viria então a denominar ao «da terra», ao «do lugar».
(...)


Cordialmente,
ONG ÁRVORE SAGRADA
http://www.arvoresagrada.com.br/

quinta-feira, 14 de abril de 2011

A Sua Resposta - Crenças Pré Cristãs na Europa

Quando nascemos no caminho da Bruxaria Tradicional, quando aceitamos caminhar por esta espiritualidade, recebemos os primeiros conselhos de um orientador, tal como um guia que mostrará algumas placas e cabe a cada um decidir por quais veredas quer conhecer.

Alguns ficam eternamente andando em círculos, falta visão do caminho, param e pensam que afinal o caminho é isso, um movimento eterno circular e uniforme, de tal modo que acreditam  conhecerem todo o caminho, quando na verdade conhecem apenas o trecho repetitivo de suas vidas.

A primeira regra básica nesse caminho é, arrume sua mochila, retire o seu ego pesado, deixe de pensar apenas em como você é isto ou aquilo, esqueça de títulos, de iniciações em outros locais, de paradigmas, de regras, de conhecimentos esotéricos, respire, olhe, e vá em frente, sem se preocupar com o passado, com seu nome e sobrenome, com a marca das suas roupas, foque no essencial.

Bruxaria Tradicional prega a simplicidade, a fluidez. Algumas vezes tenho escutado o termo "caminho sem nome", porém a interpretação é que o caminho é independente das necessidades superficiais, a busca é pela essência, pela vivência, tal como um olhar de uma criança conhecendo um mundo novo, claro, direto, límpido se assim você o for, se assim você compreender.

Somos nada mais que peregrinos, então não se preocupe tanto com suas medalhas e diplomas, no caminho uma gentileza vale muito mais que um currículo, uma companhia muito mais que uma roupa de grife, um sorriso e um olhar muito mais que mil palavras.

Ah sim, aprenda a escutar, quem fala muito não pode contemplar o silêncio, não faça perguntas tolas, antes de perguntar a alguém, pergunte a si mesmo e espere a resposta no tramitar pelo caminho, elas chegam, sempre chegam.

Cordialmente,

Parlamento das Religiões do Mundo - Bruxaria Tradicional


Estamos a informar que o próximo Parlamento das Religiões do Mundo terá lugar em Bruxelas, capital da Bélgica e da União Europeia, em 2014. O Parlamento, que começou em 1893, é o maior e mais antigo encontro interreligioso do mundo, com a participação de 8.000 a 10.000 delegados representando todos os continentes e quase todas as religiões, incluindo muitas tradições pagãs. O Parlamento foi realizado em Chicago, Cidade do Cabo, Barcelona e, mais recentemente, em Melbourne, Austrália. Todos estão convidados a participar deste grande evento internacional.

Andras Corban Arthen
Diretor, Comunidade Alma da Terra (EarthSpirit Community)
Membro, Conselho Directivo do Parlamento das Religiões do Mundo

Cordialmente e em apoio,

Conselho de Bruxaria Tradicional no Brasil
http://www.bruxariatradicional.com.br/

terça-feira, 29 de março de 2011

Bruxaria Tradicional sofre processo de Bullying! Desrespeito! Diga NÃO!

Mesmo diante dos tempos atuais, existem pessoas que prestam um amplo desserviço a sociedade, como se não bastasse as perseguições religiosas, contamos ainda com a intolerância, o preconceito, a agressão, com a falta de respeito de pessoas limitadas e focadas apenas nas agressões de qualquer pessoa ou instituição que represente outros ideais ou que não acreditam em suas falácias.

É uma pena que estas pessoas não respeitem nem mesmo a lei, fazendo a prática de Calunia e Difamação, usando de meios obscuros para conquistar a fama e corrompendo os jovens para caminhos pouco nobres.

Fora todas as transgressões colocadas, que ofendem o Art. 5. da Constituição Federal, ainda entramos no processo de bullying, não apenas de invasões em nosso blog, como também envio de emails com ameaças e difamações.

Realmente é lastimável que ainda tenhamos estas formas tão indignas, lamentável!

Faremos uma campanha Contra a Sta. Inquisição Virtual.

Cordialmente,

Conselho de Bruxaria Tradicional

segunda-feira, 21 de março de 2011

SOBRE A INTEGRIDADE DA NAÇÃO - Folclore - Bruxaria Tradicional

Um texto interessante, vale a reflexão!


Claro que a Integridade da Nação é muito mais do que simples política.
Este encontro foi inicialmente anunciado no Facebook como «evento pagão e nacionalista.» O que tem o «pagão» a ver com o «nacionalista»? Tem tudo a ver uma coisa com outra precisamente no contexto da Integridade da Nação.
E porquê?
Porque toda a Nação é na sua raiz pagã.
Uma Nação é composta de vários elementos, a saber: Raça, Língua, Folclore, Religião.
Sem Raça, uma Nação não é uma Nação; poderá quando muito ser uma Pátria. Mas uma Pátria que tenha mais de uma Nação no seu seio é como se fosse um império, podendo ver-se um exemplo disso mesmo aqui ao lado, em Espanha, onde a pátria espanhola contém várias nações, sendo que uma delas, Castela, controla as outras: Galiza (talvez uma parte da Portugaliza...), Astúrias, Catalunha e Euskadi (País Basco).
Sem língua própria, diferenciadora em relação ao que a rodeia, não há nação, pelo menos na Europa - uma «nação» sem língua não é uma Nação, é uma província. O Minho, o Algarve, por exemplo, não são nações; a Catalunha, esta sim, é uma Nação, tal como Portugal, Irlanda, Islândia, Grécia, etc...
Sem Folclore, isto é, o conjunto de lendas e mitos, danças e cantares, usos e costumes de determinado Povo, uma Nação vai a caminho da morte, porque já não tem vida interior...
Sem Religião, sem a sua própria religião, uma Nação está gravemente mutilada na sua identidade espiritual.
Obviamente que os ateus poderão pôr em causa a necessidade, sequer a existência, de uma identidade espiritual, mas isso é outra questão, da qual já se vai tratar...

Ora eu falei em religião própria. Tanto quanto sei, não há Povo sem religião, na sua origem. Todos os Povos da História conhecida, por mais primitivos que fossem, tiveram e/ou têm alguma forma de religião. Porque o ser humano é inerentemente espiritual e, consequentemente, em todas as raças, em todas as etnias, em todas as nações, numa palavra, em todas as estirpes, surge a Religião. A religiosidade brota naturalmente no seio de todo e qualquer Povo, goste-se ou não, e não estou neste caso a emitir juízos de valor. Por conseguinte, a Religião começa por ser algo de inerentemente étnico, tal como a língua. O idioma também brota no seio do Povo. Quanto às religiões universalistas, surgem mais tarde, à posteriori, em certas e determinadas circunstâncias históricas.
A religião étnica, a religião que brota naturalmente no seio do Povo, é o Paganismo - ou os Paganismos. Digo Paganismos, plural, porque cada Povo terá a sua própria religião étnica. Daí o falar-se em religião grega, religião romana, religião céltica, germânica, eslava, báltica, etc....
Assim, toda a Religião Nacional é, à partida, um Paganismo. O Japão, por exemplo, tem a sua religião nacional, o Xintoísmo, que é, digamos, o Paganismo japonês, tal como a Índia tem o seu Paganismo indiano, que é o Hinduísmo.

posted by Caturo
Fonte: http://gladio.blogspot.com/2011/03/sobre-integridade-da-nacao.html

sexta-feira, 18 de março de 2011

Informação Coesa - Tudo sobre Bruxaria Tradicional - Simples e Direto

Revendo o mundo virtual vimos mais uma entrevista sobre o que é bruxaria e tradicionalidade.

Bruxaria é um rótulo generalista para designar um contexto de crenças tradicionais sobreviventes ao cristianismo, essa crença vai depender de sua regionalização, em qual povo europeu surgiu, para se dizer se é mais próxima da religião oficial (pré-cristã) ou se simplesmente é uma espiritualidade inerente a um determinado grupo de pessoas isolados geograficamente, ou não, longe de influências externas, neste caso ela se torna a religiosidade oficial do local.

É fato que essas crenças existiam nos diversos povos e com a posterior influência católica, tivemos os diversos sincretismos, até então isso é de consenso, esta na história, a não ser que tenhamos um novo achado arqueológico que diga o contrário.


Sobre Tradição, segue definição:

"Tradição (do latim: traditio, tradere = entregar; em grego, na acepção religiosa do termo, a expressão é paradosis παραδοσις) é a transmissão de práticas e valores transmitidos de geração a geração, o conjunto das crenças de um povo, algo que é seguido conservadoramente e com respeito através dos tempos."

A partir disto é muito fácil analisar, para se ter um conhecimento passado de geração a geração tem que vir de algum lugar, é uma linha cronológica, então se parte de uma raiz até o final na linha, o que é obvio! Deve surgir num local, numa região, com um povo específico, com costumes e tradições próprias.

Quem não respeita tradição, tem uma visão cosmopolita, universal, "moderninho", entre outras, pode este se dizer ser alguém tradicional? Isso é válido para qualquer área, não apenas para crença.

Vamos a um outro ponto, temos visto diferentes pontos de vista sobre Igrejas, Templos, Associações e Conselhos, cada um tem sua visão de mundo e respeitamos tanto aos que aderem quanto aos que não se sentem à vontade de participar, porém a maioria dos magistas que temos notícias, estão envolvidos com alguma instituição religiosa, vamos citar o rótulo "ordem" ou "linha religiosa", geralmente são os mesmos críticos "filiados" que opinam negativamente, mesmo que eles próprios já estejam participando de um aglomerado de pessoas com suas regras próprias, dogmas, regimentos, ou seja, críticas sem fundamento algum.

Outro fato interessante, dizem que onde se viu traçar uma lista de regras, de dogmas para Bruxaria Tradicional, logo em seguida, citam quatro coisas que um bruxo tradicional tem que cumprir; caros! Em todos os lugares existe um regimento próprio, um conjunto de “placas” que indicam um determinado caminho, é essa falta de bom senso ao criticar e visão de mundo que torna tudo mais complexo e sem sentido.

De tantos artigos chamando para "a razão" a cada dia que passa temos mais e mais discursos antagônicos dentro do que alguns entendem por Bruxaria Tradicional.

Mais dois fatos para refletirmos: "Um bruxo pode estudar qualquer sistema mágico", caros leitores, não precisa ser bruxo para fazer isso, qualquer magista pode, um umbandista pode estudar Catimbó, o que observamos com certa estranheza seja a necessidade de alguns de partirem para outros sistemas, sabemos que tais magistas, não receberam nenhum método de feitiçaria ancestral (sem tradicionalidade em magia), e se receberam tem todo jeito de não funcionarem, por isso a necessidade de outros sistemas mágicos.

Bruxos Tradicionais podem ou não ser pagãos (?)

Refletimos que muitos tentam criar dispositivos baseados nas crenças pessoais para mudar algo que já surgiu muito antes deles terem nascido, se esta tudo tão errado, por que não iniciam a sua vertente magista de “bruxarias” baseada em sistemas tradicionais, nessa pode dizer ser satanista, que não precisa ser ancestral, qualquer um pode ser auto iniciado e fica tudo certo, é muito mais fácil e evita muitos constrangimentos.

Na semana conversamos com uma magista que colocava sobre o termo “base única” para alguns sistemas mágicos, incluindo a Bruxaria Tradicional; concordamos que temos uma crença ligada a magia, que muitas surgiram também na Europa e algumas outras sutilezas, porém somos favoráveis à fragmentação teológica, pois a bifurcação, como fator limitante e generalista, de crenças gera discussões desnecessárias, uns acreditam na Deusa, outros no Satã! Caros cada um tem que buscar a sua linha de crença de uma maneira verdadeira e específica, senão só teremos choques teológicos.

A Bruxaria Tradicional como concebemos é diferente do termo dado por Robert Cochrane, ele menciona Old Craft, ou seja, Arte Antiga e não Bruxaria Tradicional. O termo "Arte" é muito usado na maçonaria, pensamos até que seria de bom tom, não utilizar, pois cada senda deve ter o seu modo mais direto e próprio de mencionar os atributos do seu caminho.

Queremos dizer também que muitos textos, colocam um monte de referências bibliográficas, assim dá a impressão de ter confiabilidade, mas tivemos o desprazer de ler alguns desses livros, então revejam esse material e sejam livres para pensar.

Pedimos encarecidamente aos escritores, que se aprofundem ao falarem de Bruxaria Tradicional e que usem os termos corretos bem como melhorem suas traduções, caso contrário fazem um desserviço à crença e se igualam ao diversos que já estão nas prateleiras servindo de base para RPG.

sexta-feira, 21 de janeiro de 2011

Esquizofrenia Esotérica


Com a preocupação de divulgar a informação (dado por pensamentos e atos observados), entramos no dialogo com profissionais da área médica e assistêntes sociais, achamos por bem desenvolver um trabalho de conscientização.

esquizofrenia é hoje encarada não como doença, no sentido clássico do termo, mas sim como um transtorno mental, podendo atingir diversos tipos de pessoas, sem exclusão de grupos ou classes sociais.

Sintomas

A esquizofrenia, talvez a psicopatologia de maior comprometimento ao longo da vida, caracteriza-se essencialmente por uma fragmentação da estrutura básica dos processos de pensamento, acompanhada pela dificuldade em estabelecer a distinção entre experiências internas e externas. Embora primariamente um transtorno que afeta os processos cognitivos[de conhecimento], seus efeitos repercutem-se também no comportamento e nas emoções.

Podem ser divididos em duas grandes categorias: sintomas positivos e negativos.
Sintomas positivos
Os sintomas positivos estão presentes com maior visibilidade na fase aguda do transtorno e são as perturbações mentais "muito fora" do normal (Fora da Casinha), como que "acrescentadas" às funções psicológicas do indivíduo. Entende-se como sintomas positivos os delírios — ideias delirantes,pensamentos irreais, "ideias individuais do doente que não são partilhadas por um grande grupo", por exemplo, um indivíduo que acha que está a ser perseguido pela polícia secreta, e acha que é o responsável pelas guerras do mundo; as alucinações, percepções irreais – ouvir, ver, saborear, cheirar ou sentir algo irreal, sendo mais frequente as alucinações auditivo-visuais;pensamento e discurso desorganizadoelaboração de frases sem qualquer sentido ou invenção de palavrasalterações do comportamento, ansiedade, impulsos ou agressividade.
Sintomas negativos
Os sintomas negativos são o resultado da perda ou diminuição das capacidades mentais, "acompanham a evolução da doença e refletem um estado deficitário ao nível da motivação, das emoções, do discurso, do pensamento e das relações interpessoais",como a falta de vontade ou de iniciativa; isolamento socialapatiaindiferença emocional; pobreza do pensamento.

Estes sinais não se manifestam todos no indivíduo esquizofrénico. Algumas pessoas vêem-se mais afetadas do que outras, podendo muitas vezes ser incompatível com uma vida normal. 

No entanto, alguns sintomas podem oscilar, aparecer e desaparecer em ciclos de recidivas e remissões.


Teorias familiares

Assim como a abordagem psicanalítica, outras abordagens responsabilizam a família, mas apesar de terem bastante impacto histórico. Surgiram na década de 1950, baseadas umas no tipo de comunicação entre os vários elementos das famílias e aparecendo outras mais ligadas às estruturas familiares. Dos estudos desenvolvidos surge o conceito «mãe esquizofrenogénica», mães possessivas e dominadoras com seus filhos, como gerador de personalidades esquizofrénicas. Estudos posteriores vieram contudo desconfirmar esta hipótese, relacionando esse comportamento mais com etiologias neuróticas e não com a psicose.
Atualmente as abordagens familiares, ao invés de culpá-la, procuram apoiar a família, reconhecendo as dificuldades em lidar com um membro da família em grave sofrimento psíquico.