terça-feira, 29 de março de 2011

Bruxaria Tradicional sofre processo de Bullying! Desrespeito! Diga NÃO!

Mesmo diante dos tempos atuais, existem pessoas que prestam um amplo desserviço a sociedade, como se não bastasse as perseguições religiosas, contamos ainda com a intolerância, o preconceito, a agressão, com a falta de respeito de pessoas limitadas e focadas apenas nas agressões de qualquer pessoa ou instituição que represente outros ideais ou que não acreditam em suas falácias.

É uma pena que estas pessoas não respeitem nem mesmo a lei, fazendo a prática de Calunia e Difamação, usando de meios obscuros para conquistar a fama e corrompendo os jovens para caminhos pouco nobres.

Fora todas as transgressões colocadas, que ofendem o Art. 5. da Constituição Federal, ainda entramos no processo de bullying, não apenas de invasões em nosso blog, como também envio de emails com ameaças e difamações.

Realmente é lastimável que ainda tenhamos estas formas tão indignas, lamentável!

Faremos uma campanha Contra a Sta. Inquisição Virtual.

Cordialmente,

Conselho de Bruxaria Tradicional

segunda-feira, 21 de março de 2011

SOBRE A INTEGRIDADE DA NAÇÃO - Folclore - Bruxaria Tradicional

Um texto interessante, vale a reflexão!


Claro que a Integridade da Nação é muito mais do que simples política.
Este encontro foi inicialmente anunciado no Facebook como «evento pagão e nacionalista.» O que tem o «pagão» a ver com o «nacionalista»? Tem tudo a ver uma coisa com outra precisamente no contexto da Integridade da Nação.
E porquê?
Porque toda a Nação é na sua raiz pagã.
Uma Nação é composta de vários elementos, a saber: Raça, Língua, Folclore, Religião.
Sem Raça, uma Nação não é uma Nação; poderá quando muito ser uma Pátria. Mas uma Pátria que tenha mais de uma Nação no seu seio é como se fosse um império, podendo ver-se um exemplo disso mesmo aqui ao lado, em Espanha, onde a pátria espanhola contém várias nações, sendo que uma delas, Castela, controla as outras: Galiza (talvez uma parte da Portugaliza...), Astúrias, Catalunha e Euskadi (País Basco).
Sem língua própria, diferenciadora em relação ao que a rodeia, não há nação, pelo menos na Europa - uma «nação» sem língua não é uma Nação, é uma província. O Minho, o Algarve, por exemplo, não são nações; a Catalunha, esta sim, é uma Nação, tal como Portugal, Irlanda, Islândia, Grécia, etc...
Sem Folclore, isto é, o conjunto de lendas e mitos, danças e cantares, usos e costumes de determinado Povo, uma Nação vai a caminho da morte, porque já não tem vida interior...
Sem Religião, sem a sua própria religião, uma Nação está gravemente mutilada na sua identidade espiritual.
Obviamente que os ateus poderão pôr em causa a necessidade, sequer a existência, de uma identidade espiritual, mas isso é outra questão, da qual já se vai tratar...

Ora eu falei em religião própria. Tanto quanto sei, não há Povo sem religião, na sua origem. Todos os Povos da História conhecida, por mais primitivos que fossem, tiveram e/ou têm alguma forma de religião. Porque o ser humano é inerentemente espiritual e, consequentemente, em todas as raças, em todas as etnias, em todas as nações, numa palavra, em todas as estirpes, surge a Religião. A religiosidade brota naturalmente no seio de todo e qualquer Povo, goste-se ou não, e não estou neste caso a emitir juízos de valor. Por conseguinte, a Religião começa por ser algo de inerentemente étnico, tal como a língua. O idioma também brota no seio do Povo. Quanto às religiões universalistas, surgem mais tarde, à posteriori, em certas e determinadas circunstâncias históricas.
A religião étnica, a religião que brota naturalmente no seio do Povo, é o Paganismo - ou os Paganismos. Digo Paganismos, plural, porque cada Povo terá a sua própria religião étnica. Daí o falar-se em religião grega, religião romana, religião céltica, germânica, eslava, báltica, etc....
Assim, toda a Religião Nacional é, à partida, um Paganismo. O Japão, por exemplo, tem a sua religião nacional, o Xintoísmo, que é, digamos, o Paganismo japonês, tal como a Índia tem o seu Paganismo indiano, que é o Hinduísmo.

posted by Caturo
Fonte: http://gladio.blogspot.com/2011/03/sobre-integridade-da-nacao.html

sexta-feira, 18 de março de 2011

Informação Coesa - Tudo sobre Bruxaria Tradicional - Simples e Direto

Revendo o mundo virtual vimos mais uma entrevista sobre o que é bruxaria e tradicionalidade.

Bruxaria é um rótulo generalista para designar um contexto de crenças tradicionais sobreviventes ao cristianismo, essa crença vai depender de sua regionalização, em qual povo europeu surgiu, para se dizer se é mais próxima da religião oficial (pré-cristã) ou se simplesmente é uma espiritualidade inerente a um determinado grupo de pessoas isolados geograficamente, ou não, longe de influências externas, neste caso ela se torna a religiosidade oficial do local.

É fato que essas crenças existiam nos diversos povos e com a posterior influência católica, tivemos os diversos sincretismos, até então isso é de consenso, esta na história, a não ser que tenhamos um novo achado arqueológico que diga o contrário.


Sobre Tradição, segue definição:

"Tradição (do latim: traditio, tradere = entregar; em grego, na acepção religiosa do termo, a expressão é paradosis παραδοσις) é a transmissão de práticas e valores transmitidos de geração a geração, o conjunto das crenças de um povo, algo que é seguido conservadoramente e com respeito através dos tempos."

A partir disto é muito fácil analisar, para se ter um conhecimento passado de geração a geração tem que vir de algum lugar, é uma linha cronológica, então se parte de uma raiz até o final na linha, o que é obvio! Deve surgir num local, numa região, com um povo específico, com costumes e tradições próprias.

Quem não respeita tradição, tem uma visão cosmopolita, universal, "moderninho", entre outras, pode este se dizer ser alguém tradicional? Isso é válido para qualquer área, não apenas para crença.

Vamos a um outro ponto, temos visto diferentes pontos de vista sobre Igrejas, Templos, Associações e Conselhos, cada um tem sua visão de mundo e respeitamos tanto aos que aderem quanto aos que não se sentem à vontade de participar, porém a maioria dos magistas que temos notícias, estão envolvidos com alguma instituição religiosa, vamos citar o rótulo "ordem" ou "linha religiosa", geralmente são os mesmos críticos "filiados" que opinam negativamente, mesmo que eles próprios já estejam participando de um aglomerado de pessoas com suas regras próprias, dogmas, regimentos, ou seja, críticas sem fundamento algum.

Outro fato interessante, dizem que onde se viu traçar uma lista de regras, de dogmas para Bruxaria Tradicional, logo em seguida, citam quatro coisas que um bruxo tradicional tem que cumprir; caros! Em todos os lugares existe um regimento próprio, um conjunto de “placas” que indicam um determinado caminho, é essa falta de bom senso ao criticar e visão de mundo que torna tudo mais complexo e sem sentido.

De tantos artigos chamando para "a razão" a cada dia que passa temos mais e mais discursos antagônicos dentro do que alguns entendem por Bruxaria Tradicional.

Mais dois fatos para refletirmos: "Um bruxo pode estudar qualquer sistema mágico", caros leitores, não precisa ser bruxo para fazer isso, qualquer magista pode, um umbandista pode estudar Catimbó, o que observamos com certa estranheza seja a necessidade de alguns de partirem para outros sistemas, sabemos que tais magistas, não receberam nenhum método de feitiçaria ancestral (sem tradicionalidade em magia), e se receberam tem todo jeito de não funcionarem, por isso a necessidade de outros sistemas mágicos.

Bruxos Tradicionais podem ou não ser pagãos (?)

Refletimos que muitos tentam criar dispositivos baseados nas crenças pessoais para mudar algo que já surgiu muito antes deles terem nascido, se esta tudo tão errado, por que não iniciam a sua vertente magista de “bruxarias” baseada em sistemas tradicionais, nessa pode dizer ser satanista, que não precisa ser ancestral, qualquer um pode ser auto iniciado e fica tudo certo, é muito mais fácil e evita muitos constrangimentos.

Na semana conversamos com uma magista que colocava sobre o termo “base única” para alguns sistemas mágicos, incluindo a Bruxaria Tradicional; concordamos que temos uma crença ligada a magia, que muitas surgiram também na Europa e algumas outras sutilezas, porém somos favoráveis à fragmentação teológica, pois a bifurcação, como fator limitante e generalista, de crenças gera discussões desnecessárias, uns acreditam na Deusa, outros no Satã! Caros cada um tem que buscar a sua linha de crença de uma maneira verdadeira e específica, senão só teremos choques teológicos.

A Bruxaria Tradicional como concebemos é diferente do termo dado por Robert Cochrane, ele menciona Old Craft, ou seja, Arte Antiga e não Bruxaria Tradicional. O termo "Arte" é muito usado na maçonaria, pensamos até que seria de bom tom, não utilizar, pois cada senda deve ter o seu modo mais direto e próprio de mencionar os atributos do seu caminho.

Queremos dizer também que muitos textos, colocam um monte de referências bibliográficas, assim dá a impressão de ter confiabilidade, mas tivemos o desprazer de ler alguns desses livros, então revejam esse material e sejam livres para pensar.

Pedimos encarecidamente aos escritores, que se aprofundem ao falarem de Bruxaria Tradicional e que usem os termos corretos bem como melhorem suas traduções, caso contrário fazem um desserviço à crença e se igualam ao diversos que já estão nas prateleiras servindo de base para RPG.