quinta-feira, 25 de agosto de 2011

Menino de 13 anos revoluciona captação de energia solar

Menino de 13 anos revoluciona captação de energia solar

Postado em 23/08/2011 às 10h35
Aidan Dwyer, 13, criou uma maneira de aproveitar melhor a energia do sol, organizando painéis solares. A invenção obteve um aumento na eficiência entre 20% a 50%. |Imagem:amnh.org
 
O americano Aidan Dwyer, 13, criou uma maneira de aproveitar melhor a energia do sol, organizando painéis solares. O resultado de sua invenção aumentou de 20% a 50% a eficiência do sistema. O invento se assemelha a uma planta em sua forma e função.
A ideia de Dwyer, apresentada em uma feira de ciência na escola, lhe rendeu o prêmio “Jovem Naturalista 2011” concedido pelo Museu Americano de História Natural e foi inspirada no mecanismo que as árvores possuem de absorver a luz solar.
Hoje em dia, os painéis solares são dispostos horizontalmente ao contrário do sistema “criado” pela natureza e, ao perceber isto, o menino resolveu gerar um dispositivo vertical com pequenos painéis solares de maneira que ficassem organizados como as folhas nos galhos.
Em uma entrevista ao portal de notícias norte-americano Huffington Post, Dwyer contou que durante suas caminhadas às montanhas de Catskills, nos EUA, ele percebeu que as folhas e os galhos das árvores obedeciam a uma sequência e ele queria saber o por quê. "Eu sabia que aqueles galhos e folhas coletavam a luz do sol para fotossíntese, então meu próximo experimento iria investigar se a sequência de Fibonacci ajudaria", disse o estudante.
A sequência de Fibonacci se caracteriza pelo uso dos números zero e um, antes de cada sequência, a cada número seguinte, faz-se a soma dos dois números anteriores. Por exemplo, 0-1-1-2-3-5-8-13-21. Estes números, quando colocados em proporções, mostram-se nos padrões de galhos e folhas em árvores. A pequena árvore criada pelo adolescente é feita em PVC e as folhas e galhos são pequenos painéis solares que respeitam esta ordem.
Testes realizados mostram que a “árvore solar” é mais eficiente, inclusive em épocas de menor incidência solar. Outra vantagem é que em épocas de nevasca, o sistema não fica “enterrado” pela neve e nem é prejudicado pela chuva além do que, ele ocupa menos espaço, sendo perfeito para ambientes urbanos onde o espaço e a luz solar direta podem ser difíceis de encontrar.
O estudante ganhou uma patente provisória, do governo dos Estados Unidos, além do interesse de diversas entidades aparentemente “ansiosas” em comercializar sua inovação.
Apesar da grande divulgação dos méritos do menino de 13 anos, a invenção de Dwyer está sendo muito criticada com relação aos métodos e técnicas usadas. Com informações de Techtudo, HuffingtonPost, American Museun of Natural History e Terra.
Redação CicloVivo

segunda-feira, 22 de agosto de 2011

Escuela de Arte - Preservação Andina do Conhecimento



Caros, caso queiram saber mais e aqueles que possam fazer investimentos nessa belíssima ação ativista em busca da preservação dos costumes nativos!

Escrevam para Agustín Guzmán!

Att.
ONG Árvore Sagrada

agustín guzmán escreveu: agustinguzman2951@yahoo.com.pe

Estimados Amigos/as.

Aqui un breve recuento de nuestra tan mentada Escuela de Arte.

En el año 2,005 el Museo de Arte de Lima,llamo a un concurso interescolar de pintura,
ahi 2 de nuestros alumnos ganaron el 1er y 2do puesto, ver entrevista de El Comercio de Lima:
http://www.comunidadtawantinsuyu.org/proyectos/entrevista_llamado_selva.jpg
Unos años despues nuestro amigo frances Franck Provvedi se interno en Yarapa para hacer un documental y asi hacer conocer al mundo nuestra expereincia, ver nota:
Yarapa:Cuando la selva es la escuela:

Aqui pueden ver el trailer del documental que se exhibira en los festivales de cine:


Aqui una nota del El Peruano de Lima:
EXPLORACIONES DE LA IDENTIDAD A TRAVÉS DEL ARTE

Tambien nos encuentran en face book:

Agradecemos a nuestros amigos/as que nos ayudaron y nos siguen ayudando para que
podamos llevar a cabo este gran sueño a todos ellos/as la sociedad los premiara,y para
los que deseen juntarse en esta parte del camino, pues serán bienvenidos porque tenemos mucho por hacer,asi como repetir esta experiencia en muchas comunidades nativas y/o campesinas,entonces vamos que se hace tarde!

Estamos a sus ordenes para compartir.

Saludos.

agustín guzmán






terça-feira, 16 de agosto de 2011

Árvores artificiais como solução ao dióxido de carbono?



Árvores artificiais podem converter dióxido de carbono em oxigênio

Pesquisadores dos Estados Unidos projetaram "planta" com garrafas plásticas recicladas que filtram o ar
por Globo Rural Online
SHIFTboston
Com o intuito de melhorar o ar nas grandes cidades, pesquisadores da Universidade de Columbia, em Nova York, nos Estados Unidos, trabalharam com um estúdio de design em Paris para projetar árvores artificiais que possam exercer a função de uma planta, sem que tenham que ser fincadas no solo ou alimentadas por água.

Segundo informações do portal de notícias Aol News, trata-se de uma máquina construída para filtrar o ar e converter dióxido de carbono em oxigênio, com suportes para painéis solares. Patrocinado pela organização SHIFTboston, a equipe elaborou o projeto utilizando como material garrafas plásticas recicladas, e agora aguarda a aprovação da proposta para produzir o primeiro protótipo.

Com design futurista, as árvores artificiais podem ser acesas no período da noite e iluminar com várias cores diferentes. Elas também podem gerar energia por meio dos painéis solares e movimento de balanços conectados à base das máquinas, que poderão ser utilizados pelas pessoas.

Opiniões contrárias dizem que em vez de construir projetos mirabolantes como este, os cientistas deveriam estimular aplantação de mais árvores. Mas os pesquisadores argumentam que árvores artificiais seriam mais eficazes, já que não necessitariam de tempo para o crescimento e poderiam ser instaladas em qualquer localidade.

quinta-feira, 4 de agosto de 2011

O Mundo Erveiro nas Sociedades Tradicionais

Trabalhar com ervas é um imenso mar de conhecimento e esta presente na sabedoria popular, dos conhecidos sábios da natureza, conhecimento vindo de geração a geração por gente afastada do meio urbano e que hoje promove fascínio em estudiosos e grandes empresas farmacéuticas. Com o distanciamento dos conhecimentos da mãe Natureza levou a humanidade a acreditar que tudo nasce no estilo fast-food e com isto começou a fase do esquecimento sobre os caminhos da tradição.

A vida não é pronta, ela é construída. A saúde, a família, o trabalho e a busca da essência não estão prontos como muitos desejam.

A magia está em nós enquanto somos capazes de construir. Neste caminho os antigos povos buscaram na Natureza a sabedoria que ela tem para ensinar, na observação dos ciclos, do espiritual até o benefício da saúde do corpo.

Encontramos na medicina erveira algumas formas na criação de remédios naturais, segue abaixo formas de trabalhar os princípios da fitoterapia.
FORMAS DE PREPARAÇÃO

DECOCÇÃO  -  É uma solução obtida através da fervura das ervas em água ou vinho, como se fosse uma sopa, e depois retira-se os sedimentos. Assim temos uma solução medicinal. Adecocção pode ser usada por via oral, cataplasma (aplicado no local) ou usar como uma sopa, e tomar como um chá.

PÓ  -  A erva é moída e transformada em pó. Há duas maneiras para seu uso: via oral ou aplicada externamente.

PÍLULAS  -  A partir do pó ou extrato seco, só que as pílulas são misturadas com água, mel, pasta, farinha, vinho ou vinagre.

EXTRATO LÍQUIDO - As ervas são solvidas em uma solução especial, aquece a uma temperatura baixa e destila-se o preparado, sob a forma de álcool. Um miligrama corresponde a 1 gr de extrato.

EXTRATO SECO  -  Igual ao extrato líquido, só que retira-se o solvente, secando-o. Uma grama de extrato seco equivale a mais ou menos cinco gramas da erva. São utilizados para cápsulas ou tabletes.

UNGÜENTO -  Utiliza-se do extrato seco ou pó, que misturado a um veículo (vaselina/ outro creme), é aplicado sobre a pele.

EMPLASTO  -  Utiliza-se das ervas maceradas em um pano e aplicado sobre a pele.

INJEÇÃO  -  Pode ser muscular ou endovenosa.

XAROPE  -  São ingeridos por via oral. O mel é o veículo mais usado.

LICORES  -  Igual ou semelhante às garrafadas. Coloca-se a planta mergulhada no álcool ou no vinho.


PREPARAÇÕES DOS MEDICAMENTOS

DECOCÇÃO
Processo indicado para cascas, sementes e frutas duras. Colocadas em uma panela contendo água, após a fervura, abaixar o fogo e mantê-la durante quinze minutos. Filtrar e guardar em refrigerador. Pode durar aproximadamente dois dias.

INFUSÃO
As ervas devem ser amassadas em um pilão. A preparação é simples. O objetivo é obter uma bebida mais leve que a decocção, mas igualmente eficaz. A infusão é utilizada para aquelas plantas cujo o cozimento prolongado pode prejudicá-las. Coloca-se as ervas em um recipiente e despeja-se água fervendo sobre a planta, tampe durante dez minutos, filtre e beba morna. Algumas vezes para se obter uma infusão, pode utilizar-se de água, vinho, vinagre, álcool ou leite.

MACERAÇÃO
Para retirar todos os princípios de uma ou mais plantas, colocam-se as mesmas em uma dose estabelecida de água fria, álcool, vinagre ou vinho, e se deixa macerar por algumas horas, ou um dia, ou semanas. Também neste caso, após haver coado ou filtrado o líquido, deve-se espremer o resíduo no coador ou na tela.

CATAPLASMA
Trata-se de envolver a parte lesada do corpo em uma massa ou pano, o remédio é empregado para curar as inflamações da pele, inchaços, contusões, feridas, chagas, ulcerações e dores reumáticas. Para preparar o cataplasma, a erva deve ter passada por uma infusão ou decocção com pouca água, este cataplasma pode ser aplicado quente ou frio. Para que a infusão vire uma massa, é preciso colocar um veículo, que pode ser argila ou farinha, no caso de feridas, coloca-se uma bandagem e depois o cataplasma.

CREME
Mais utilizado na cosmética do que em tratamentos alternativos, os cremes são fáceis defazer e dão ótimos resultados. Podemos preparar um creme da seguinte maneira: coloca-se lanette (cera utilizada como base para cremes) em banho-maria até que derreta, em seguida deve ser misturada aos óleos, decocções ou infusões das ervas indicadas para os fins desejados. Além disso, vale a pena acrescentar ao conteúdo algum tipo de conservante natural, como arovit ou própolis (ambos vendidos em farmácia). Mesmo assim os cremes devem ser mantidos em refrigeração.


TINTURA MÃE
É a maceração de folhas ou outras partes da planta, que se faz a frio em álcool de cereais (milho ou uva). As tinturas mãe extraem as propriedades das ervas com grande eficiência e concentração, mantendo a conservação por um longo período (em média dois anos). Para prepara-la basta misturar três partes de ervas com sete de álcool de cereais, ou, seis partes de álcool de cereais e um de água destilada e três partes de ervas. Depois deixe esta mistura macerar por, no mínimo, trinta dias em um vidro escuro em local seco e escuro. Após trinta dias devemos filtrar.

POMADAS
As pomadas em geral podem ser feitas a partir de tinturas de qualquer erva. Para isso deve-se misturar partes iguais da tintura desejada com vaselina e lanolina, nesta ordem, na proporção de uma medida de tintura para uma de vaselina e uma de lanolina. A pomada chega a durar de um a dois anos, no entanto, para conserva-las o importante é manusear o conteúdo sempre com uma espátula, evitando o contato com as mãos.

UNGÜENTOS
É preparado misturando-se as ervas ou suco de ervas com uma substância gordurosa (gordura hidrogenada). Habitualmente empregua-se a vaselina ou lanolina. Em primeiro lugar, deve-se socar a erva escolhida, em seguida mistura-la a gordura ao vaselina, deixar então o conteúdo em banho-maria por aproximadamente duas horas. A mistura vai estar pronta quando estiver com aparência homogênea.

VINHO MEDICINAL
Costumeiramente  é  diurético  ou  estomáquico.  Vertem-se  as  ervas  estabelecidas naturalmente cortadas em pedaços, ou trituradas e esmagadas. Coloca-se no vinho deixando macerar por um certo período de tempo, filtra-se então o vinho.

* Advertimos procurar profissionais da área, nunca se auto-medique!

Att,